Economia Investimento e Aposentadoria
Economia Investimento e Aposentadoria

Em tempos de mudanças e propostas nas regras da aposentadoria no Brasil, todo brasileiro está ansioso em saber o que melhora (ou piora) nas regras de aposentadoria.

O brasileiro está acostumado com um ciclo de vida que é repassado dos mais antigos para os mais novos: Crescemos, conseguimos um bom emprego, trabalhamos o tempo necessário e aposentamos. E o que mais aborrece desse ciclo é que o tempo dito necessário sempre aumenta a cada novo governo.

Recentemente houve uma crescente considerável no número de pessoas que querem obter a independência financeira, seja por meio de vendas de produtos de beleza e emagrecimento tais como Hinode, Mary Kay, AmWay e Herbalife  ou até mesmo abrindo seu próprio negócio saindo do trabalho autônomo se tornando empreendedores individuais.

Nesse cenário é comum as dúvidas “Como farei para garantir minha aposentadoria?” ou “Estou ganhando agora, e quando estiver com idade para aposentar o que farei?”Não contribuo com o INSS, como sobreviverei após os 65 anos de vida? Motivado por essas perguntas que ouvi é que resolvi escrever esta matéria.

Fundo de garantia e Previdência social são os fundos que geram menor rentabilidade se comparados à poupança, tesouro direto e LCi.

A boa notícia que tenho é que, criar sua previdência privada não é um “bixo de sete cabeças”. E uma dica valiosa: fuja dos planos de previdência privada propostos por entidades financeiras; são boas apenas para elas mesmas. Isso porque o rendimento alcançado com tais entidades financeiras são muito pequenos chegando a ser menor do que o rendimento do próprio fundo de garantia e INSS. Fundo de Garantia e Previdência Social são os fundos que geram menor rentabilidade se comparados à Poupança, Tesouro Direto e LCI.

Porque não devo investir em Planos de Previdência Privada

Você poderia até se perguntar porque não investir em previdência privada. Sendo direto e reto o que tenho a te dizer é que os banco trabalham para aumentar o faturamento próprio, utilizam o dinheiro de seus clientes para criar mais riquezas e se algum pilar financeiro ruir, você será sempre o mais prejudicado. A seguir alguns dos principais motivos pelos quais você nunca deveria contratar previdência privada.

Baixa rentabilidade

A rentabilidade dos planos de Previdência Privadas em geral aparenta ser boa. No ato da compra é apresentado taxas de rendimento acima das taxas conhecidas em poupança, a queridida do brasileiro (essa matéria fará você reconsiderar se a poupança deve mesmo ser a queridinha).

Poreḿ, como todos sabem e já estão acostumados, todo contrato com banco tem várias páginas e poucos são os que lêm todas elas antes de assinar. No entando, quando você assina o contrato de previdência privada, está sendo a favor de que o banco possa:

  • Taxa de carregamento alta: além da contratação do serviço depender de um investimento inicial considerávelmente alto, a instituição financeira cobra uma taxa sobre esse investimento. O que deixa o cenário um pouco mais nebuloso é o fato de que a cada carregamento (quando você investe outro valor) uma nova taxa percentual é cobrada. Os bancos, ao apresentarem os planos aos clientes, mostram quanto rende, porém, a rentabilidade mostrada é bruta, não especificando o que o cliente vai perder com essa taxa;
  • Taxa administrativa: O banco vende a você a ideia de que está trabalhando para teu dinheiro aumentar. Com isso “nada mais justo” do que cobrar uma taxa mensal sobre a renda gerada com o teu dinheiro. E mais uma porcentagem do teu dinheiro “bate asas”.
  • Taxa de saída: Se arrependeu? Não está vendo muita rentabilidade? Renda está abaixo da poupança que você acabou deixando em segundo plano? SURPRESA! Pague a taxa de saída do plano (cobrada por vários bancos) para que possa desfazer o contrato anteriormente assinado.



Alto risco

Sem contar as taxas cobradas que são subtraídas do rendimento que teu dinheiro teve, imagina se a instituição privada sofre uma queda economia?

Até mesmo grandes empresas têm sofrido com o BOOM da tecnologia. A empresa Nubank com seu cartão sem anuidades, com a possibilidade de quitar parcelas recebendo descontos é a prova de que a solidez dos bancos convencionais pode não ser tão grande o quanto parece.

Ainda está em dúvida se realmente a previdência privada é essa armadilha? há uma forma tão segura quanto a poupança e com rentabilidade maior que não precisa de taxas para investir: O tesouro direto

Poupança não é o único fundo de investimento Garantido

O que muitos me perguntam durante conversas sobre investimentos alternativos à poupança é: Mas esse investimento é garantido?

A verdade é que dois dos investimentos que tenho costume de destacar que são o LCI e o Tesouro Direto são garantidos e o Tesouro Direto tem maior garantia do que o LCI. Vamos analisar a diferença:

  • Poupança, LCI, LCA, CDB: O FGC (Fundo Garantidor de Crédito) garante até R$250.000,00 por CPF/Instituição Financeira. Isso quer dizer que uma pessoa que investe R$500.000,00 reais em apenas um banco, caso esse banco venha a quebrar, receberá no máximo a metade do valor investido. Dividir o investimento entre várias contas em instituições financeiras diferentes é uma maneira melhor de garantir o dinheiro investido. Porém, imagina que um dos grandes bancos venha a quebrar. O FGC teria dinheiro para cobrir a quantia para milhões de pessoas? Logo, é errado dizer que poupança não tem risco, o que há é a diminuição do risco.
  • Tesouro Direto: O Tesouro Direto não é garantido pelo FGC. Porém quem o garante é o próprio Tesouro Nacional. De maneira lógica podemos dizer que o risco de perda é ainda menor do que para a opção anterior; é mais fácio o fundo de crédito quebrar do que o Tesouro Nacional. Outra informação muito importante é que o Tesouro Nacional garante 100% do valor investido.

Como faço para investir no Tesouro Direto?

Investir em Tesouro Direto é simples. Existem várias entidades que fazem a intermediação entre o investidor e o Tesouro, porém, no próprio site do Tesouro você comprar e vender títulos públicos. No site do Tesouro é possível encontrar uma lista de entidades financeiras habilitadas a fazer essa intermediação. Isso nos dá até uma segurança a mais já que podemos saber se a entidade contratada é de confiança.

Investir diretamente pelo site do tesouro

Não é preciso vínculo com nenhuma corretora financeira do Brasil para começar a investir no Tesouro Direto. No entanto, é necessário ser correntista em algum banco (de sua preferência) para que seja possível a compra e venda de títulos por meio do site do tesouro.

Existe um curso da ESAF que ensina tudo sobre o Tesouro Direto. O material pode ser acessado diretamente do site do Tesouro nesse link. É altamente recomendado que você busque conhecimentos sobre o Tesouro, as modalidades de Tesouro para entender qual será sua rentabilidade.

Para aqueles que não estão acostumados com a prática de aprender sobre assuntos diversos sozinho, indico o curso Tesouro Direto Descomplicado do Rafael Seabra. Nesse curso a forma simplificada de ensinar sobre os “macetes” do tesouro são de grande valia.

Investir por meio de entidades financeiras

Mas Cuidado. Na hora de escolher, escolha entre as que oferecem a melhor taxa administrativa que considerdo sendo entre 0 e 0,1%; acima disso já acredito que começa a ser dinheiro perdido.

Eu por exemplo comecei a investir pela Easynvest (sem taxa administrativa) que recomendo caso já tenha um pouco de noção em investimento. Para aqueles que ainda não têm conhecimento em investimento, sugiro a Rico.com.vc que oferece vídeo aulas e suporte para quem está iniciando (por isso, cobra 0,1%). Uma dica, 0,1% é um valor pequeno e justo já que aprenderá a fundo sobre fundos de investimentos.

Para conseguir investir é necessário abrir uma conta junto a uma dessas entidades financeiras. É fácil simples e sem burocracia. Eu mesmo o fiz tudo via internet, sem sair da minha casa.

Se optar por um curso completo, com estratégias de ganho, recomendo o curso doa Rafael Seabra. Nesse curso você aprenderá como melhor investir, como projetar o seu ganho, e cá entre nós, se quer mesmo investir para garantir sua aposentadoria, você precisará saber gerenciar seus investimentos e rentabilidade.

Aposentar em 20 anos? Crie o hábito de investir com frequência

O hábito de investir com frequência disciplinada é a única saída para a aposentadoria. Se você quer trabalhar 20 anos da sua vida e poder curtir um pouco da vida após esses anos, é necessário muita disciplina na hora de investir.

Fazendo a conta de juros compostos em cima de um valor pequeno, neste caso R$ 150,00 por mês, comprando títulos do Tesouro que rendem 11% ano ano, ao final de 20 anos o investidor resgatará R$ 106.544,71. Devo concordar que esse valor não gera uma boa rentabilidade mensal, porém se analisarmos o quanto rendeu o dinheiro, é uma quantia alta. R$ 150,00 reais por mês durante 20 anos são R$ 36.000,00. Em 20 anos teu dinheiro rendeu mais de R$ 70.000,00 reais.

Dê prioridade à aposentadoria

Se com R$ 150,00 mensais é possível obter uma renda suficiente para ganhar em torno de R$ 1.000,00 reais mensais apenas reinvestindo, pensa no padrão de vida que você quer ter daqui 20 anos.

Muitas pessoas que conversam comigo acham muita coisa guardar R$500,00 reais para sua aposentadoria, mas não ligam de pagar R$ 1.000,00 reais na parcela de uma carro, que é apenas um bem material perecível que a cada ano que passa perde mais do seu valor. O investimento a cada ano aumenta e é a tua garantia de vida após os 50, 55 anos. Pense nisso:

Qual o tamanho do conforto que você quer ter daqui 20 anos?